domingo, 6 de abril de 2014

Os Spaghetti de Sergio Corbucci

Dos mais de 600 westerns spaghetti que foram produzidos ao longo de um pouco mais de 10 anos, praticamente um único nome se destaca internacionalmente: Sergio Leone, graças a filmes como os da sua "trilogia dos dólares", ou "Aconteceu no Oeste". Mas relativamente a este movimento muito mais coisas foram produzidas, desde os westerns cómicos com Terence Hill, aos westerns góticos de Margheritti, ou os Western Zapata e os Twilight Westerns.
Em muitos tops de especialistas do género, Leone tem sempre bastante avanço, quase como se as suas obras fossem de outra galáxia. Vamos observar um top dos mais credíveis, talvez o mais credível de todos, do site "The Spaghetti Western Database", aqui, e observem como dos 12 primeiros lugares, 11 posições são ocupadas por realizadores chamados "Sérgio". Esta semana vamos focar-nos no segundo Sérgio, o Corbucci.
Muita coisa foi escrita sobre Leone e Corbucci, e muitas vezes se colocou a interrogação sobre até que ponto os filmes de Corbucci seriam, ou não, melhores do que os de Leone. "Django" e "O Grande Silêncio" aparecem muitas vezes referidos no meio dos de Leone. A questão é muito pertinente, mas não é isso que queremos descobrir, queremos mesmo é ver os filmes de Corbucci, e nos tempos que correm o nome deste realizador ainda não é tão conhecido como realmente deveria ser.
Nos últimos anos o seu nome andou bastante em voga, desde que Quentin Tarantino resolveu fazer uma espécie de reprise do seu filme mais famosos: "Django". Tarantino que é um grande fã do western spaghetti, nunca se cansa de colocar músicas das bandas sonoras dos spaghetti nas suas obras.
Talvez o único contratempo da carreira de Corbucci no Spaghetti é que a sua carreira foi bastante mais longa do que a de outros realizadores, e como tal também também foi mais irregular, contando com algumas obras menos interessantes. Nesta semana vamos abordar apenas 5 dos seus filmes, aqueles que regularmente são considerados os melhores. Espero que gostem:

Segunda: "Django", 1966

Terça: "Navajo Joe", 1966

Quarta: "Il Mercenário", 1968

Quinta: "O Grande Silêncio", 1968

Sexta: "Companheiros", 1970

Um comentário:

Jorge Cerqueira disse...

mermaum ficou muito legal esse novo formato. muito bom o texto. abraço o/