terça-feira, 22 de dezembro de 2015

O Mundo no Arame (Welt am Draht) 1973

Originalmente lançado como uma mini-série de duas partes para a televisão alemã, "O Mundo no Arame" de Rainer Werner Fassbinder era uma estranha entrada na carreira prodigiosa do eclético autor do novo cinema alemão, que tinha sido pouco visto antes da sua restauração e sessões teatrais mais recentes. Fassbinder era um cineasta extremamente prolífico (dirigiu mais de 40 filmes numa carreira de 14 anos, que foi interrompida pela sua morte, em 1982, com a idade de 37), e fez este filme durante um período particularmente prolífico, que viu a produção e libertação de nove filmes no período de três anos entre 1972 e 1974.
O único trabalho de Fassbinder na ficção científica, "O Mundo no Arame", é um filme de perguntas e idéias que nos levam até ao território da realidade virtual, inteligência artificial, e a responsabilidade moral que os humanos têm para as máquinas feitas à sua semelhança, pressagiando filmes milenares como Matrix (1999) e AI, de Steven Spielberg (2001). As perguntas que rodeiam todo o filme de Fassbinder não eram novas para a ficção científica como um género, apesar de terem sido relegadas principalmente às páginas impressas em livros e histórias de William Gibson e Philip K. Dick (O Mundo no Arame é baseado no romance de 1964 Simulacron -3 por Daniel F. Galouye, que foi adaptado novamente em 1999, como The Thirteenth Floor). A ficção científica cinematográfica do início da década de 1970 andava grande parte obcecada com as idéias do apocalipse e distopia, como prova filmes como Planet of the Apes (1968), No Blade of Grass (1970), THX 1138 (1971), e Soylent Green (1973).
Embora a tecnologia seja crucial, de alguma forma, para todos estes filmes, é central para "O Mundo no Arame" a visão deste futuro próximo-distante. Cientistas na IKZ (Instituto de Cibernética e Futurologia) construíram a realidade simulada por computador, povoada por 8.000 "unidades de identidade", que são programas de computador construídos essencialmente com informação digital que desconhecem a verdadeira natureza da sua existência. Dentro da realidade virtual do IKZ, estas unidades pensam que são humanos e, para todos os intentos e propósitos, comportam-se como se fossem. Assim, no cerne do filme está a questão fundamental: serão eles humanos? Se as unidades de identidade são capazes de pensamentos e comportamentos humanos, isso significa que eles estão dotados de direitos inalienáveis​​? E, talvez ainda mais desconcertante, se estas simulações de computador acreditam que são humanos, o que quer dizer que o mesmo não será verdade no nosso mundo?
 Estas questões filosóficas inebriantes não são imediatamente visíveis no filme, com Fassbinder e o co-argumentista Fritz Müller-Scherz a manterem a estrutura do enredo de mistério ou thriller. Somos introduzidos pela primeira vez ao professor Henry Vollmer (Adrian Hoven), o principal desenvolvedor do programa de computador da realidade virtual do IKZ, que tem um comportamento estranho depois de lhe ser dito ser algo devastador, por Günther Lause (Ivan Desny), chefe de segurança da empresa, e aparecer morto, pouco mais tarde. O sucessor de Vollmer é Fred Stiller (Klaus Löwitsch), uma espécie de homem comum noir-ish, que é atraído para o mistério quando conhece Lause numa festa para o ver desaparecer no ar, enquanto todos negam a sua existência (um cenário que nos lembra Hitchcock em The Lady Vanishes). Stiller quer resolver o mistério do desaparecimento de Lause e da estranha morte de Vollmer, só para provar a sua própria sanidade mental, e ele é auxiliado pela filha de Vollmer, Eva (Mascha Rabben). No entanto, ao mesmo tempo, está sob pressão de Herbert Siskins (Karl-Heinz Vosgerau), presidente-executivo da IKZ, para continuar a desenvolver o programa da realidade virtual preparando-o para o uso por empresas para ajudar a determinar as tendências de mercado ao longo das próximas décadas. Assim, além das questões subjacentes que envolvem a identidade e realidade, "O Mundo no Arame" também investiga questões sobre a venda da tecnologia pelo capitalismo.

Parte 1
Parte 2
Imdb

Nenhum comentário: