quinta-feira, 9 de junho de 2016

Yol - Licença Precária (Yol) 1982

A história da produção deste filme e do seu criador, o argumentista/realizador Yilmaz Güney, é tão fascinante como as várias histórias do filme, envolvendo prisioneiros a quem é dada uma semana de férias antes de voltarem para a vida atrás das grades.
Um dos principais actores da Turquia, Güney tornou-se realizador em meados dos anos sessenta, e evoluiu para um dinâmico argumentista/realizador/produtor/actor, mas com a liberdade para explorar os seus próprios pontos de vista da política e os problemas sociais da Turquia, até que vieram os problemas com a lei, levando-o para a cadeia várias vezes, tanto por publicar coisas erradas sobre a política do seu país, como por ser o vocal sobre os atritos entre as culturas curdas e turcas, ou disparando sobre um juiz em 1974, a última sentença de Güney para uma estadia de 19 anos na prisão. Durante este longo período, Güney escreveu vários argumentos e dirigiu vários filmes através do seu assistente Şerif Gören, incluindo Yol. Em 1981, Güney fugiu da prisão, e já em França completou este "Yol", que foi lançado em 1982, depois de ter sido agraciado com múltiplos louros conquistados no festival de Cannes. Muitos poderiam pensar que Güney iria beneficiar da sua nova liberdade, mas depois de fazer "The Wall" (1983), morreu de cancro no ano seguinte, com apenas 47 anos.
O conceito de Yol é bastante simples: um retrato duro da Turquia, o seu povo e as autoridades, vistos através das histórias de cinco priosioneiros para quem foram concedidos uma semana de liberdade para visitarem as suas famílias. O filme retrata como a volta à vida "de fora" pode ser complicada..
A saga de Omer (interpretado por Necmettin Çobanoglu) permitiu a Güney filmar um personagem interagindo com a sua família, e as cenas em língua curda, uma linguagem supostamente então ilegal para capturar em filme, enquanto o conto de culpa de Mehmet (Halil Ergün) dava um vislumbre da miséria dos mais pobres e desfavorecidos que não têm nada, excepto manter a honra familiar. A história de Mehmet também permite a Güney descrever aspectos da honra, que se tornam o tema central do terceiro e mais poderoso conto, o de Seyit (Tarik Akan), como ele descobre comportamento errante da sua esposa, e luta contra a vontade de matar a mulher que ama de uma forma clara, e com quem teve um filho.
 A frieza das linhas destas história garantem que o filme é muito pesado, mas o que irá provocar a ira do público ocidental é a representação das mulheres na sociedade turca (cerca de 1981), como bens virtuais móveis, e o seu destino amarrado à honra ou desonra dos seus homens.
O filme é, decididamente, visto a partir da perspectiva masculina, e certamente não será lisonjeiro para qualquer personagem feminina, mas os sentidos de Güney queriam criar um docu-drama sobre os graves problemas sociais ligados à manutenção de tradições antiquadas, políticas e costumes conservadores . A parte mais difícil para os telespectadores é se o filme é aceite como um instante de um período descolorido do passado, ou reforça o estereótipo da Turquia como um país brutal. É um artefacto que captura visão parcial do cineasta de uma sociedade com a qual ele estava em combate, com o comentário social destinado a provocar o ultraje público em políticas progressistas, e revisão de antigas práticas culturais.

Link
Imdb

Nenhum comentário: