quarta-feira, 15 de abril de 2015

Quando Uma Mulher Sobe as Escadas (Onna ga Kaidan wo Agaru Toki) 1960



Mikio Naruse tem tido bastante reconhecimento nos últimos anos, depois de uma longa vida nas sombras dos realizadores mais famosos internacionalmente e auteurs reconhecidos como Ozu e Kurosawa. O seu estilo não é tão reconhecível ou ele é pronunciado como algum desses realizadores, e a sua tendência para o material temático de "retratos de mulheres" provavelmente também contribuiu, infelizmente, para a falta de seriedade a respeito do seu trabalho. No seu caminho, contudo, ele acabou por ser tão diferente e digno de atenção como os colegas mais conhecidos. "Quando Uma Mulher Sobe as Escadas" parece trazer uma mudança para Naruse. Por um lado, no final dos anos 50, ele expandiu a sua obra para o formato widescreen, fazendo pleno uso da tela comprida e estreita para algumas composições muito interessantes. Este filme também usa uma iluminação muito mais expressiva, e as muitas cenas de interiores em ainda lembram os tempos do film noir, graças a uma iluminação dinâmica e ao uso das sombras. O efeito é reforçado pela banda-sonora jazzy.
Mas estes são toques principalmente cosméticos, e de certa forma a partida dos filmes anteriores não é tão drástica como pode parecer. Na história da viúva Keiko Yashiro (a bonita Hideko Takamine), uma mulher empregada como bar hostess, o filme partilha o mesmo território temático que Naruse foi continuamente desenvolvendo. As condições, oportunidades e pensamentos das mulheres no Japão do pós-guerra foram uma fonte contínua de material para ele, e este filme, como os outros, usa o meio do distrito de Ginza para sondar levemente sobre as condições sociais que as opções do limite das mulheres em vida. Há pouco comentário social evidente no filme, mas é quase impossível ver a sua narrativa como algo além de uma condenação do tratamento das mulheres. Naruse apresenta uma sociedade em que as mulheres são forçadas pelas circunstâncias, muitas vezes com maridos impostos, em que devem rebaixar-se para sobreviver, e, de seguida, são julgadas severamente por esses mesmos homens.
O filme é passado no Japão do pós-guerra , no distrito de Ginza, onde as mulheres solteiras tinham duas opções: ou trabalhar num bar, sendo pagas para andar com homens bêbados, ou abrir um bar próprio. Keiko, a popular "mama" num desses bares, observa as colegas mais jovens, sairem para outros empregos, atraindo todos os seus clientes. Keiko ainda é bonita, mas está a ficar cada vez mais velha, e a sugestão é que chegou a hora de ela abrir o seu próprio bar. O problema é que, para arrecadar dinheiro, ela tem que explorar até os seus mais ricos clientes masculinos. Quando o filme começa, ela sobe as escadas até ao bar, explicando na narração o quanto ela despreza esta vida. Naruse pinta Keiko como a tradicional mulher, no meio de um Japão modernizado, cercado por bebidas, luzes e homens que adoram mulheres. O seu estilo não é muito diferente ao de Ozu, mas o foco de Naruse é mais específico. Em Quando Uma Mulher Sobe as Escadas, Naruse debruça-se mais sobre a captura do realismo psicológico da mulher, em vez das dinâmicas familiares de Ozu.Numa última análise, Keiko está sozinha, com todas as probabilidades contra ela, mas ela continua a tentar. Continua subindo as escadas.

Link
Imdb

Nenhum comentário: