sábado, 20 de agosto de 2016

Valerio Zurlini

De todos os realizadores italianos dignos de nota que se estrearam nos anos 50 - Ermanno Olmi, Francesco Rosi, Dino Risi, e Marco Ferreri - o menos conhecido é Valerio Zurlini. Um dos mais literados e sensíveis realizadores europeus do seu tempo, realizou apenas 8 longas-metragens até à sua morte prematura em 1982. Sendo ele um pós-realista, Zurlini era um mestre nos dramas intimistas, que estava muito em voga antes do radical Novo Cinema Italiano dos anos sessenta, de que fariam parte os realizadores mencionados em cima. Ele ficou como o único resistente de uma geração perdida, e talvez por isso nunca é mencionado nos livros sobre a história do cinema. 
Nascido em Bolonha, em 1926, foi marcado para a vida pela guerra e pela arte. Em 1943 alistou-se no corpo italiano de libertação e passou dois anos a lutar contra os Nazis no movimento da Resistência. A guerra viria a ser o cenário central de dois dos seus mais importantes filmes: "Verão Violento" e "La Soldatesse". Como muitos dos seus contemporâneos aderiu ao Partido Comunista, mantendo-se como um católico praticante. Um devoto apaixonado pela pintura e estudante da história da arte, tornou-se um amigo próximo de dois artistas notáveis, o grande pintor Giorgio Morandi e Ottone Rosai, cujo ponto de vista da cidade de Florença iria influenciar outra obra de Zurlini, "Cronaca Familiare". Entrou para o cinema com uma série de curtas e documentários, estreando-se nas longas metragens com "Le Ragazze di San Frediano", uma comédia agradável, e o seu único trabalho mais leve, apesar de ser tingido com melancolia.
"Verão Violento" (1959), foi um dos raros filmes a abordar um tabu de longa data no cinema italiano: a representação do dramático ano de 1943, que viu a queda de Mussolini, e o início da guerra entre fascistas e anti-fascistas.
As próximas duas semanas serão dedicadas a este realizador italiano. Um ciclo que já planeava a algum tempo, mas só recentemente consegui as suas oito longas metragens (além de uma curta). 
Vão ser duas semanas de descoberta. Espero que gostem. Até segunda-feira.

 

Nenhum comentário: