sábado, 14 de março de 2015

Youssef Chahine

Génio sem rival no cinema egípcio, Youssef Chahine trabalhou em quase todos os géneros conhecidos: noir, melodrama, screwball, filme de época, thriller polémico, entre muitos outros, por vezes abraçando vários géneros num só filme. Escrevendo sobre "O Destino", conto alegórico de Chahine sobre um filósofo cujo trabalho vai ser alvo de fundamentalistas religiosos, Jonathan Rosenbaum elogiou "o impulso generoso que faz o filme circular em partes diferentes entre o musical, a comédia, o western, o biopic, o épico bíblico, a lenda medieval e o filme de aventuras". Sempre muito bem compostos,  como uma explosão de energia e por vezes estruturados à volta de um triângulo amoroso, os filmes de Chahine podem acomodar mudanças radicais de tom. As suas influências são vastas, e são bem exploradas nas suas películas: as extravagancias de Bollywood, Dreyer, Sirk, DeMille, Citizen Kane.
Talvez o neo-realismo italiano tenho deixado marcas mais profundas no realizador, especialmente num dos seus filmes mais adorados, Cairo Station (1958), onde o próprio realizador interpreta um vendedor de jornais levado a extremos violentos. O estilo mosaico que Chahine avançou para este filme providenciou um excelente meio de expressão para a consciência social do realizador presente em "People of the Nile", um filme construído com fundos soviéticos.
Os filmes de Chahine também são influenciados pela cidade do Cairo, onde são produzidos grande parte dos filmes egípcios, uma indústria dominada por filmes árabes, com os seus toques populistas de música e melodrama. Além de tratar das complexidades da vida social e política do Egipto, os filmes de Chahine mantinham o apelo e a energia de um filme mainstream. Esta combinação de cultura popular e sofisticação artística deu-lhe uma certa ambiguidade, assim como uma rara exuberância e ecletismo.
Chahine faleceu em 2008, depois de uma carreira de mais de 60 anos, e cerca de 37 longas metragens. Esta semana iremos ver aqui alguns dos seus filmes mais importantes.

Domingo: Cairo Station (Bab el Hadid) 1958

Segunda: The Land (Al Ard) 1969

Terça: The Sparrow (Al Asfour) 1972

Quarta: Alexandria...Why? (Iskanderija... lih?) 1979

Quinta: O Destino ( Al Massir) 1997

Espero que seja do vosso agrado. Até amanhã.

Nenhum comentário: