terça-feira, 11 de junho de 2013

Falsa Justiça (Silver Lode) 1954


O incansável e versátil pioneiro da era muda que, ao longo de cinco décadas, dirigiu tantos actores, desde Shirley Temple a John Wayne, Allan Dwan floresceu na década de 1950 com uma série de westerns fora de vulgar, de baixo orçamento ainda que menos consistentes do que os de Anthony Mann, Budd Boetticher, ou Andre de Toth, mas tão interessantes. O mais conhecido deles, Silver Lode, de 1954, abre com uma premonição de A Quadrilha Selvagem (a encenação da violência pelas crianças) e prossegue como uma transmutação sem créditos da curta história de Jorge Luis Borges, Ragnarök.
Liderando os rangers sinistros temos o vingativo Ned McCarthy (Dan Duryea), que interrompe as festividades do 4 de Julho com um mandado de prisão contra Dan Ballard (John Payne), um fazendeiro local, amado e prestes a se casar. As pessoas da cidade em primeiro lugar defendem o acusado, mas, como começam-se a espalhar insinuações, e a busca do protagonista pela verdade torna-se uma caça ao homem, e a fragilidade da justiça na comunidade torna-se incrivelmente clara. 
Um pesadelo de um dia encenado quase em tempo real, enganosamente modesto Silver Lode tem um dinamismo e uma criatividade que ultrapassam a apatia de muitos westerns de recursos muito maiores. Feito numa altura em que o western alcançava o pináculo clássico e mostrava os primeiros sinais de quebra de quebra, o filme não esconde um significado político. Com um pequeno script, muito tenso e resistente da autoria de Karen DeWolf, era claramente um ataque ao macarthismo e ao domínio da Mafia. A cena clímax dentro de uma igreja é especialmente notável, com ripas sombrias a caírem, e o brilho da luz nos cantos. (A belíssima fotografia é do grande John Alton.). Dwan capta o sentimento de uma cidade inteira usando apenas alguns cenários bastante simples

Link 
Imdb 

Sem comentários: